sábado, 26 de junho de 2010

RESPOSTA AO ANÔNIMO: OS ATEUS COITADINHOS! INVERTEDO QUEM PERSEGUE A QUEM

Por Demetrius Farias
A alguns dias eu postei aqui um artigo sobre o ateísmo, ou como é chamado atualmente, Neo-Ateísmo. O texto foi produzido pelo consagrado pregador e escritor presbiteriano, Pb. Solano Portela. E mais uma vez o Sr. Anônimo, que não necessariamente é o mesmo do debate sobre o ex-BBB Dourado, me escreve um comentário que me força a responder com um novo artigo, tendo em vista que os comentários são pouco lidos ou consultados.

Para quem não acompanhou o artigo, ele foi publicado em 11 de junho e é o penúltimo que publiquei. Ele é uma reprodução feita pelo Blog do Genizah. O link está aqui e podem conferir: Os Ateus Coitadinho! Invertendo...
Com vocês:

RESPOSTA AO ANÔNIMO

"Prezado, Demetrius.
Você parece se identificar perigosamente com qualquer coisa que defenda seus princípios morais, desde que seja uma defesa apaixonada (posso dizer que essa é uma característica dos textos que você reproduz porque já li vários dos seus posts) o que determina que não importam os argumentos utilizados."
Resposta: Sinceramente eu tive alguma dificuldade para poder responder a este comentário, principalmente pelo fato de não ter identificado uma razão coerente para que o texto de Solano Portela apresentasse algum problema, ou por haver algum fato em específico para eu ter me identificado com o texto. Mas vamos por partes!

Não entendo qual seja a razão oportunista de minha identificação com este texto, ou qualquer outro artigo reproduzido por mim aqui no Blog que possa me ser perigoso. Onde o perigo? Qual é a ameaça a mim mesmo ou a qualquer outra pessoa?

Não me identifico com qualquer texto. Me identifico com texto que expressam as mesmas convicções que possuo, logo não sou eclético e consumidor de artigos oportunistas, que apreciam apenas o que me é conveniente. Os argumentos não são ocasionais. São sempre os mesmos e sempre ligados um ao outro. Convido ao Anônimo para me mostrar onde, ainda que em apenas uma linha, este texto (ou outro) me serve apenas de pretexto, mas depois não me serve em outra ocasião. Argumentos importam sim, e são eles que fazem com que eu escreva o que escrevo e reproduza o que outros pensam, assim como eu.

Eu me trairia se fizesse diferente!
"Ao contrário do que você acredita, eu concordo que a visão da maioria seja a criacionista, pois se você somar cristãos católicos, cristãos protestantes, judeus e islâmicos verá que somos, sim, a grande maioria. Isso para citar religiões que eu tenho certeza absoluta que são monoteístas e criacionistas.
Ao meu ver, o único perigo que você observa em meus posts é a minha postura cristã tradicional, que para a sociedade de hoje, realmente é uma ameaça. E parece que é pra você também. Daí seu incômodo!

Mais curioso ainda é a sua afirmação de que a maior parte da sociedade é criacionista. Me pergunto: Em que mundo o Anônimo vive?

O fato da sociedade brasileira ser em sua maioria católica e protestante, além das comunidades judias e muçulmanas, não faz deste um contingente inteiro de criacionistas convictos. Acho que lhe carece um pouco mais de leitura na área e observar amostragens de pesquisas de opinião com temas religiosos. Se desejar, posso lhe indicar alguns sites e livros interessantes. Mas para sua informação, a maioria cristã do Brasil, que por acaso se diz católica, na verdade é apenas nominal. Ou seja, não praticantes, ou praticantes eventuais. Destes, uma maioria é evolucionista, mesmo professando o cristianismo como religião. Inclusive o Papa João Paulo II reconheceu a teoria da evolução como verdadeira.

Outro exemplo que posso te dar é o americano. A maioria da sociedade estadunidense se professa protestante ou católica, mas apenas uma parcela são criacionistas, e a maioria é apenas protestante nominal.

Ou seja, professar judaísmo, cristianismo, islamismo ou qualquer outro "ismo", não é garantia alguma de que esta pessoa seja, praticante fervorosa ou mesmo criacionista. Acreditar nisto é laborar em erro estatístico e sociológico. Seu comentário revela desconhecimento de causa e revela sua tendência camuflada em defesa do evolucionismo. Nada contra, pois acho que se sua fé é esta, você deve fazer a defesa dela.

"Se há de fato uma tendência no meio ciêntifico de excluir teorias é porque ainda somos, e muito, positivistas. É preciso testar e reproduzir uma experiência para considerá-la válida.
Sendo assim, creio ser um tanto perigoso abrir a guarda e permitir que sejam conduzidos e validados todos os estudos que não seguem esse rigor cientifico de experimentação (já que não possuímos meios eficazes parra tais experimentos), pois ficaremos inundados de teorias que nada mais são que expeculação.
Sei bem que a propria teoria evolutiva não pode ser comprovada cientificamente, mas se nem mesmo ela (que se baseia em longa e criteriosa observação e que se mostra plausível a partir do aspecto da adaptação) tem o aval geral por que teorias das mais diversas correntes o teriam? Se assim ocorrer poderemos nos deparar com validações de teorias que afirmam que na verdade somos uma espécie alienígena muito bem adaptada vinda de outra galáxia que perdemos nosso planeta original devido ao nosso comportamento destrutivo... além de outros absurdos..."
Caro Anônimo, aqui começa outra confusão danada, da qual você começa a se contradizer.


Concordo com você que a visão de mundo da ciência, ainda hoje, permanece bastante positivista e que sua crítica a este embasamento filosófico e epistemológico é um questionamento crescente, principalmente nas ciências sociais e humanas. O que não entendo é a razão pela qual você critica a ciência, mas depois a defende em seu positivismo. Se posicione, meu filho!

Porque razão seria perigoso pesquisar, encontrar provas científicas e validar uma hipótese que não seja a tirânica Teoria da Evolução? Fato é que muitas hipóteses seriam descartadas de pronto, por impossibilidade da pesquisa, mas outras, se conduzidas de forma séria, poderiam reescrever a história. Mas entendo o medo dos evolucionistas, e provavelmente o seu também. O caso é que nenhuma pesquisa com base teórica na Macro Evolução é séria e carece de provas. Não é mistério a ninguém que uma multidão de cientístas renomados já tentou produzir provas fraudadas e enganar a sociedade. Tudo isso pelo simples fato de ter que atender a uma agenda de pregação do ateísmo. Afinal, se Deus não existe, temos que ter outra explicação para nossa existência e para a existência do Universo, mesmo que ela seja absurda.

O que mais me impressiona é como isso é vendido como fato científico comprovado, e a sociedade desmiolada e nada pensante engole como sendo a Verdade. Nisto você se torna em mais um dos ícones desta multidão de crentes em macacos que viram homens (e que os homens são macacos melhorados). Onde foi feita criteriosa e longa observação da Macroevolução? Onde isso ocorreu? Laboratório? Na própria natureza (se alguns dos criacionistas atuais até chegam a afirmar que é a evolução parou)? Mas você também tem razão em algo: Realmente a "teoria" da evolução, carece e muito de provas para sobreviver.


Na verdade, a Hipótese da Evolução, termo mais adequado para esta falácia, não passa pelo crivo rigoroso da Boa Ciência. E se pesquisas em criacionismo apontarem fatos mais contundentes? Qual o medo? Admitir que Deus existe? Isso é ótimo! Qual o problema?

Nunca a microevolução, o que você chama de Adaptação, é prova para a Macroevolução. Ratos da Ilha de Santa Helena, mesmo tendo se modificado ao longo das gerações, e ficaram maiores do que os seus antepassados (ratos comuns vindos da Europa em navios), não deixaram de ser ratos para serem outro animal aparentado, continuaram ratos. E um detalhe curioso é que estes mesmos ratos gigantes, quando levados para a Europa novamente, voltaram a ter a aparência de ratos comuns, como seus ancestrais. Ratos são sempre ratos, e não outra coisa.
"Sob outro aspecto, quem se afirma publicamente ateu, de fato, sofre algum tipo de preconceito. Tenho amigos ateus e, mesmo sendo vigilante quanto ao meu comportamento, me pego surpreso e até "revoltado" por alguém ser ateu, pois ainda não me cabe a idéia de alguém simpplesmente não acreditar em Deus e por conseguinte não precisar dele. Então, voltando, se eu homem cabeça aberta, amigo de ateus ainda os vejo vez por outra com restrições quanto mais os outros!"
Não há preconceito por alguém ser ateus. O que há é apenas a sua discordância e indignação pelo fato de alguém pensar assim, o que aliás é seu direito inalienável. Ninguém, neste mundo de hoje, perde o emprego por ser ateu, sofre calado por ser ateu, ou pensa em suicídio por que as pessoas lhe vetam a liberdade por ser ateu (se bem que muitos suicídas assim o foram por não acreditarem em Deus e no inferno). Por outro lado, nas Escolas e Universidades, crianças e jovens sofrem o famoso Bullying, por serem cristão e criacionistas. Isso é no trabalho, nas escolas, nas faculdades e impetrado por aqueles que se julgam esclarecidos. Eu mesmo tive um professor na faculdade que chamou-me de idiota, na frente dos demais. Se você for protestante então, aí o preconceito e a discriminação são ainda maiores. Você pode discordar sim, eu posso discordar sim, o ateísmo, o cristinismo, o evolucionismo e o criacionismo podem ser criticados também. É nosso direito. Mas jamais, eu posso ser tolhido em minha liberdade por causa das minhas crenças. Se o que acredito não é danoso a sociedade ao ponto de pervertê-la, claro! Há limite para tudo.
"Não sou a favor desse fulano entrevistado por Folha, nem a favor do ateísmo em geral, mas sou contra o sarcasmo com o qual o autor do texto se refere ao assunto."
O sarcasmo é um recurso literário e retórico válido, se bem empregado. Se você se ofendeu com isso, eu não tenho nada haver. Acho que Solano Portela empregou bem o sarcasmo e expressou de forma a deixar claro o seu pensamento. Ele teria feito mal se tivesse partido para a ofensa pessoal. Mas parece que hoje em dia, qualquer crítica é uma ofensa. A sociedade está cada dia mais melindrosa e orgulhosa.
"Evangélicos costumam errar num ponto comum: acham que o fato de uma outra pessoa ser evangélica dá a ela toda a autoridade. Ou seja, se um cientista é evangélico, então ele é o melhor; se um político é evangélico, então ele é o melhor; se um blogueiro é evangélico e fala contra um ateu (que diga-se de passagem só comprova a discriminação que o outro diz sofrer), então ele é a voz da verdade!"

Tem hora que dá vontade de rir, mas tudo bem. Preconceito por preconceito e aí vemos mais um deles: "Vocês evangélicos são isso"..., "vocês evangélicos são aquilo"..., "vocês não sabem de nada", "vocês erram nisto e naquilo"..., e por aí vai! Mas tudo bem. Deixa pra lá!

Sou evangélico e posso dizer por conhecimento de causa e experiência. Tem muito político evangélico safado, muito dentista "crente" que é mal profissional e muito herege pregando em púlpitos protestantes. Sou Protestante o suficiente para reconhecer isso, ao passo que a sua afirmação é inócua, por carecer de verdade, muito embora um pesquisador protestante sério, é mais honesto na divulgação de seus dados do que um evolucionista. Um político evangélico, se realmente for servo de Deus, é mais digno da cadeira de Presidente da República do que todos os demais demagogos do Planalto. Um verdadeiro cristão é mais verdadeiro em tudo, do que os demais mundanos desta sociedade perversa e vil.

Você apenas confirma o que eu disse anteriormente. Se alguém critica o ateísmo de alguém, então isso é preconceito contra a pessoa. Que falácia mais ridícula! Que dizer que se você come chocolate e alguém o vê, e critica o chocolate e o seu gosto por ele, então isso é ofensa, vira pessoal e se torna um preconceito? Por favor! Daqui a pouco ninguém mais pode falar na palavra "crítica", que pode ser processado, como querem os gays, por exemplo.
"Acho que todos podem e devem expressar livremente suas opiniões pessoais, mas quando se trata de reproduzir opniões alheias creio que deve-se ter o cuidado de não desligar o botãozinho do senso crítico e retransmitir idéias de preconceitos travestidas de justa indignação.

É isso, meu caro."
 Não é opinião alheia. Aliás, nenhuma das minhas reprodução são opiniões alheias. Conheço os autores e seus trabalhos. Partilho com eles as minhas visões e preocupações. Se para você, uma visão contrária a sua é preconceito, então eu não posso fazer nada, pois este é o seu conceito de "preconceito", assim como eu creio firmemente que minhas opiniões são embasadas em Conceitos muito bem estabelecidos. Você apenas reproduz, e sim, sem desligar o botão do senso crítico, a fala da massa. Tudo é preconceito e politicamente incorreto, se há discordância com a opinião da maioria.

Fato é que vivemos uma atual democracia de interesses, onde é permitido apenas que se pense, fale e escreva o que é conveniente para a maioria, permitido por alguns poucos detentores de poder, e pelos famosos formadores de opinião, que nos empurram o que querem.

Se você me considera preconceituoso, bem como a Solano também, então o somos, e Justamente Indignados com esta situação. Ponto!

Ao fim deste direito de resposta, ainda permaneço confuso, pois não entendi a razão pela qual você me criticou assim. Você me parece alguém que diz crer em Deus e discorda de forma condoída de um ateu, mas que parte em defesa do modus operandi da ciência e do ateísmo. Se posicione! Mente aberta não é algo muito bom ou louvável. Ao contrário do que se acredita por aí, abraçar tudo e fingir que se consegue viver com o diferente sem um dia expressar sua convicção contrária é uma mentira da pós-modernidade. Fazer de nossa mente uma salada de frutas só traz confusão. Não existe esta de viseira de cavalo, ou modo estreito de apreender o mundo. O que existe são visões de mundo e o embate entre elas. Saber conviver com isso, sim, é demonstrar bom intelecto e maturidade. A sociedade atual é surpreendentemente ignorante, e levada pela boca da televisão e do que sai dela, dos jornais e da mídia em geral, que apenas serve a meia dúzia de titeriteiro.

É isso, meu caro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO!

CHAMADA

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...