quarta-feira, 31 de março de 2010

VADER: UM ARQUÉTIPO DO SER

Por Darth Metrius

Faz algum tempo eu queria escrever sobre Anakin/Vader sob um olhar mais psicológico e religioso, entretanto sem traçar um perfil psicológico ou descrever uma psicopatologia qualquer que explicasse a personalidade e o caráter deste Herói e Vilão de Star Wars. Minha proposta é a de tentar ver como o personagem pode ser um reflexo do curso do ser humano ao longo da história e ao longo da vida. Para tal, vou propor um olhar dentro de uma perspectiva filosófica e cristã, pelas seguintes razões. Vader em sua concepção original abarca em si alguns elementos que sintetizam figuras da nossa história e cultura, como expus no artigo sobre Anakin em Paralelos IV. Em termos de cultura, a perspectiva cristã nos permite entender o personagem e a nós próprios, visto que a cultura ocidental se forjou em parte na religião. Se alguns de você já possuem alguma leitura em psicologia e filosofia, vão perceber que vou trilhar um caminho com vocês a partir da visão de mundo de Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço, fundador da Psicologia Analítica e um dos maiores dissidente da Psicanálise, sendo um dos primeiros discípulos de Freud.

terça-feira, 30 de março de 2010

O IMPÉRIO CONTRA-ATACA - DUBLAGEM ORIGINAL PARA O PORTUGUÊS

Outro achado!!! Desta vez eu quase chorei só de ouvir o Silvio Navas fazendo a dublagem mais Rock'n Roll de Vader que eu já vi.
A cena é a clássica revelação da identidade de Vader para seu filho, Luke. Apreciem sem moderação!

O RETORNO DE JEDI - DUBLAGEM ORIGINAL PARA O PORTUGUÊS

Nas minhas andanças pela Internet, mais precisamente no Youtube, descobri um achado fabuloso. Alguns pequenos trechos de O Retorno de Jedi (Episódio VI) com a dublagem original feita pela versão brasileira Herbert Richers, contratada pela Rede Globo para a Tela Quente, durante os anos 80. Lembrei da minha infância e de como eu gostava da voz de Darth Vader feita pelo Silvio Navas, dublador do personagem e que caracterizou no Brasil a voz cavernosa do maior vilão do cinema.







sexta-feira, 26 de março de 2010

AS 12 RAZÕES PARA ELIMINAR O ENTRETENIMENTO EM SUA IGREJA


LINK para o Genizah


Alan Capriles

Sei que o entretenimento está tão enraizado na cultura evangélica, que parecerá um absurdo a tese que defendo. Mas, além de não estar sozinho na luta contra o "culto show", estou ainda muito bem acompanhado, por pastores renomados, como Charles Haddon Spurgeon, que no século XIX já havia escrito sobre este perigo, alertando que o fermento diabólico do entretenimento acabaria levedando toda a massa em curto espaço de tempo. E é neste estado de lastimável fermentação que se encontra a massa evangélica atual.

quinta-feira, 18 de março de 2010

LULA HUMILHA ISRAEL


Link para o Blog do Julio Severo

Por Demetrius Farias
Não faz poucos dias que eu postei um artigo de minha autoria criticando a diplomacia Lulista, e o nosso presidente comete mais uma terrível gafe (se é que posso chamar de gafe). Como Lula e sua comitiva podem se recusar a ir a uma visita ao Túmulo de Theodor Herzl e depositar flores para o fundador do Estado de Israel? É inaceitável! No entanto, ele foi ao túmulo de Yasser Arafat. Lula é assim mesmo. Cala-se sobre a tirania de Fidel em Cuba, faz vista grossa para as loucuras de Hugo Chaves, entrega nossos interesses nacionais para os bolivianos e paraguaios, mente com relação a Honduras, e anda de mãos dadas com Ahmadinejad. Não bastasse tudo isso, critica Israel por se defender de terroristas e países vizinhos, recusa-se a ir ao túmulo de Herzl e vai homenagear Arafat, um terrorista que já derramou muito sangue inocente e que nunca foi solidário nenhuma causa de Direitos Humanos. Esse é o Lula, e essa é a cara do Brasil no mundo. Espero que Israel chute nosso traseiro ao menor sinal de que estamos nos intrometendo na questão Palestina e no oferecendo como mediadores da questão.
Para não dizer que estou inventando, ou mesmo o Julio Severo, aqui vai alguns links do portal de notícias G1:

Muito embora as matérias sejam tendenciosas ao governo, elas revelam o fato em si e como isso repercutiu no cenário mundial.
Cruel, heim? "Visita quase obrigatória"?!?!?!?!?!?!?

terça-feira, 16 de março de 2010

BATISMO INFANTIL


As crianças fazem parte da família de Deus. Deus firmou conosco uma aliança eterna, prometendo ser o nosso Deus e o Deus dos nossos filhos (Gn 17.1-10). O selo espiritual dessa aliança foi a circuncisão (Rm 4.16-18; Gl 3.8,9,14,16). A circuncisão era o rito de entrada no pacto. A criança era circuncidada ao oitavo dia e a partir daí participavam dos benefícios do pacto (Gn 17.10; Is 54.10,13; Jr 31.34). O pacto feito com Abraão, o pai da fé, não foi ab-rogado (Is 59.20,21; At 2.37-39). A promessa está vigente na nova dispensação (Rm 4.13-18 e Gl 3.13-18). Na nova dispensação os infantes não foram excluídos. O Novo Testamento confirma que as crianças de pais crentes era membros da igreja (Mt 19.14; Jo 21.15; At 2.39; I Co 7.14). Temos forte evidência de que os apóstolos batizaram crianças (At 10.48; 11.14; 16.15; 16.33; 18.8; I Co 1.16; I Co 7.14). Outrossim, os principais pais da igreja, como Justino, o mártir, Irineu, Orígenes, Agostinho e Tertuliano fizeram menção dessa prática apostólica. Os teólogos reformados e as principais confissões de fé da igreja reformada também defenderam a prática do batismo infantil, como a Confissão belga, O Catecismo de Heidelberg, os Cânones de Dort e a Confissão de Fé e os Catecismos de Westminster.
Aqueles que se opõem ao batismo infantil, levantam algumas objeções:

AS RAZÕES DOS NÃO-DIZIMISTAS



Referência: HEBREUS 7.1-10

A doutrina do dízimo é inaceitável para aqueles que ainda não tiveram uma experiência pessoal com Jesus Cristo. Isto porque não foram ainda marcados pela consciência da causa de Deus nem pela prioridade do Seu Reino.
No Novo Testamento a palavra DÍZIMO aparece 9 vezes e ligadas a duas situações:

segunda-feira, 15 de março de 2010

AH, DEIXA O HOMEM TRABALHAR!

Por Demetrius Farias
"Deixa o Homem trabalhar", esse foi um dos lemas da campanha de reeleição do atual Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Mas a verdade é que ele trabalhou pouco para dentro do país, e se preocupou muito com a posição internacional do Brasil diante de grandes questões mundiais e assuntos sócio-políticos em que o Brasil poderia se envolver e ganhar notoriedade. Não que eu ache isso ruim, pois sempre achei que o país necessitava se impor no cenário mundial e sair da insignificância. Contudo, na medida em que o nosso presidente nos leva a ganhar destaque no mundo, tal destaque está sendo manchado e marcado pelas suas declarações em discursos para a imprensa brasileira e extrangeira.

BATISTAS, PRESBITERIANOS, ASSEMBLEIANOS, EPISCOPAIS... Quem tem o melhor governo?


Link

Este artigo foi tão legal que decidi partilhar ele aqui no meu blog. Foi publicado no blog do Genizah, no dia 12 de Março de 2010.
O autor é o Pastor Antônio Carlos Costa, ministro presbiteriano da Igreja Presbiteriana da Barra, e presidente do Rio de Paz.

quarta-feira, 10 de março de 2010

JULIO SEVERO PREGA "ÓDIO" AOS HOMOSSEXUAIS?



Este artigo, postado hoje, é cômico, em uma grande parte, mas recheado de verdade e profeticamente preciso quanto aos processos pelos quais o país passará se a militância de grupos radicais se tornar vitoriosa pela aprovação da PLC 122. É notável como os membros mais agitados são capazes de reverter situações em benefício próprio, mesmo que para isso a mentira e a difamação sejam os veículos utilizados. Neste atual estado de coisas, onde os valores sociais parecem se deteriorar, onde a moral se torna um princípio a ser rejeitado e as instituições tradicionais, principalmente a família, tem suas estruturas adulteradas, a sociedade brasileira parece anestesiada e incapaz de enchergar o que está debaixo de seu nariz: a violação dos direitos constitucionais de todo brasileiros, que pela própria Carta Magna, são iguais e sem diferenciação.
Vejam o que Olavo de Carvalho escreveu sobre o assunto, artigo pelo qual salvou o Blog do Julio Severo de ser fechado permanentemente.

Leiam: 

SÉRIE: OLAVO DE CARVALHO - METÁFORA PUNITIVA


Metáfora punitiva


O dicionário Longman's, um dos mais atualizados da língua inglesa, define “homofobia” como “medo e ódio aos homossexuais”. O termo foi introduzido no vocabulário do ativismo gay pelo psiquiatra George Weinberg, no livro Society and the Healthy Homosexual (New York, St, Martin's Press, 1972) para designar o complexo emocional que, no seu entender, seria a causa da violência criminosa contra homossexuais.
Até hoje os apologistas do movimento gay não entraram num acordo sobre se existe ou não a homofobia como entidade clínica, comprovada experimentalmente. Uns dizem que sim, outros que não.
O que é absolutamente impossível provar, por meios experimentais ou por quaisquer outros, é que toda e qualquer rejeição à conduta homossexual seja, na sua origem e nas suas intenções profundas, substancialmente idêntica ao impulso assassino voltado contra homossexuais.
No entanto, é precisamente isso o que o termo significa quando aplicado ao Papa, ao deputado Clodovil Hernandez ou a qualquer outro cidadão de bem, hetero ou homo, que sem nem pensar em agredir um homossexual se limite a expressar educadamente suas reservas, já não digo nem quanto ao homossexualismo em si, mas simplesmente quanto às pretensões legiferantes do movimento gay . Em seu livro A History of Homophobia , que pode ser lido na internet , o ensaísta Rictor Norton, um apologista da homossexualidade, é bem franco sob esse aspecto: “Com muita freqüência, a palavra ‘homofobia' é apenas uma metáfora política usada para punir.”
“Homofóbico” é termo que só pode ser usado de maneira descritiva e neutra quando referido estritamente aos criminosos que o dr. Weinberg tinha em vista ao cunhar a expressão. Aplicado a quaisquer outras pessoas, é propositadamente pejorativo e insultuoso. Foi calculado para ferir, humilhar, rebaixar, intimidar – e, pior ainda, para fazer tudo isso com base na inflação metafórica de um termo médico que nem mesmo na sua acepção originária correspondia a uma realidade comprovada. Não é só um insulto. É um insulto e uma fraude. Mas, uma vez que o uso repetido tenha dessensibilizado o público de modo a que ele não perceba a fraude, passa-se à etapa seguinte do embuste: associada a mera expressão racional de opiniões a uma conduta psicopática e assassina, trasmuta-se o sentido metafórico em sentido literal, e a suposição insultuosa se torna prova do crime: toda e qualquer objeção às exigências do movimento gay será punida com pena de prisão.
A gravidade do insulto, em si, é monstruosa, e qualquer pessoa que o sofra pode e deve processar criminalmente o atacante antes que este, usando seu próprio crime como prova contra a vítima, a processe por “homofobia”. Toda e qualquer acusação de “homofobia”, se não dirigida a autor comprovado de crime violento contra homossexuais, é crime de injúria, difamação e calúnia, acrescido do uso fraudulento da justiça como instrumento de perseguição política.
Se as vítimas dessa fraude não reagirem contra ela, acabarão indo para a cadeia por motivos metafóricos. 


Olavo de Carvalho
Diário do Comércio (editorial) , 23 de maio de 2007

Texto extraído do site www.olavodecarvalho.org, com destaques feitos por mim. 

SÉRIE: OLAVO DE CARVALHO - ÓDIO À REALIDADE


Ódio à realidade

O sexo anal pode dar câncer no reto; o oral, câncer na garganta. Excluída a masturbação, que não exige parceiros, eis aí esgotado, com riscos incomparavelmente mais altos que os do abominado tabaco, o rol dos contatos sexuais possíveis numa relação gay. Que haverá nisso de tão excelso para que toda crítica a essas atividades seja proibida por lei?
Decerto estou mais disposto a defender o direito de os senhores parlamentares se entregarem a esses perigosos afazeres do que eles a me deixar acender um único cigarro nas áreas cada vez mais vastas onde o proíbem.
O que não posso entender é que atos prejudiciais à saúde devam ser considerados mais dignos de proteção oficial do que a boa e velha relação conjugal da qual todos nascemos, ao ponto de a simples afirmação da superioridade desta última ser condenada como uma abominação e um crime. Afinal, não é possível fazer sexo oral ou anal sem ter nascido, nem muito menos nascer mediante uma dessas práticas, ao passo que o nascimento as antecede de muitos anos e independe delas por completo. Entre as diversas atividades sexuais, aquela da qual deriva a continuidade da espécie humana tem manifesta prioridade sobre as que se destinam somente a fins lúdicos ou deleitosos, por mais interessantes que estas pareçam a seus aficionados.
Não posso crer que meu pai teria agido melhor se em vez de depositar seu esperma no ventre da minha mãe ele o injetasse no conduto retal do vizinho, de onde o referido líquido iria para a privada na primeira oportunidade. Nem há como imaginar que essas duas hipóteses sejam tão nobres e respeitáveis uma quanto a outra. Por mais que à luz da doutrina gay isto soe até presunçoso, não posso admitir que eu e um cocô sejamos resultados igualmente desejáveis e valiosos de uma relação sexual. Nem suponho que os próprios senhores parlamentares mereçam esse radical nivelamento, ainda que muitos se esforcem para alcançá-lo.
Tudo isso é bastante evidente, e o deputado Clodovil Hernandes é a prova de que não é preciso ser heterossexual para admiti-lo. Se a afirmação do óbvio está em vias de se tornar crime, é porque o ódio do movimento gay não se volta contra injustiças e perseguições reais (infinitamente menores, em todo caso, do que aquelas sofridas pelos cristãos e judeus), mas contra a razão, a lógica, o bom-senso e a civilização. Culturalmente, a ideologia gay nasce de correntes de pensamento que professam destruir a "tirania do logos" e instaurar, em lugar da ordem racional, a pura vontade de poder de um ativismo prepotente e chantagista.
Cada vez que um de seus porta-vozes, como uma nova Rainha de Copas, ordena que todos se prosternem diante de exigências absurdas, ele sabe que não está combatendo "a homofobia", mas a estrutura da realidade ou, em termos religiosos, o Verbo divino. Só a opção total pela irracionalidade explica que, sob a alegação de proteger uma comunidade contra a mera opinião alheia, se busque submeter a novas perseguições judiciais outras comunidades que não estão expostas ao simples risco de ouvir palavras desagradáveis, mas de morrer em campos de extermínio. 

Olavo de Carvalho
Jornal do Brasil, 17 de maio de 2007


Texto extraído do site www.olavodecarvalho.org, com destaques feitos por mim.

SÉRIE: OLAVO DE CARVALHO - DEBATE PRÉ-MOLDADO


Debate pré-moldado

“Moldar o debate” é a técnica usada por grupos de interesse para impedir que as discussões públicas apreendam a substância dos problemas e canalizá-las numa direção forçada, postiça, previamente calculada para servir aos objetivos do grupo.
Nos anos 70, essa técnica tirou os EUA do Vietnã, deixando o caminho livre para que os comunistas assassinassem três milhões de civis ali e no vizinho Camboja. O truque foi desviar a discussão do problema central -- a ameaça vietcongue – e concentrá-la no estereótipo da “paz”. A paz acabou matando quatro vezes mais gente do que a guerra, mas quem liga para isso?
Pelos mesmos meios foi liberado o aborto, escamoteando a questão essencial – o que é e como se faz um aborto – e fixando o debate na “liberdade de escolha”. Com ajuda de estatísticas falsas (o número de mulheres mortas em abortos ilegais nos EUA foi artificialmente esticado de 250 para dez mil por ano), a militância abortista dessensibilizou a opinião pública para o fato de que se tratava de matar, por meios inconcebivelmente cruéis e dolorosos, milhões de crianças aptas a sobreviver fora do ventre de suas mães a partir do quinto mês de gestação.
Uma nova fraude em massa está em vias de se consumar, agora no Brasil, pelo uso do mesmo engodo. O movimento gay planeja tornar o homossexualismo, por lei, a única conduta humana superior a críticas. É a pretensão mais arrogante e ditatorial que algum grupo social já acalentou desde o tempo em que os imperadores romanos se autonomearam deuses. Aprovada a PL 5003/2001, os brasileiros poderão falar mal de tudo – dos políticos, dos vizinhos, do capitalismo, da religião, de Deus, do diabo. Mas, se disserem uma palavra contra aquilo de que os homossexuais gostam, irão para a cadeia.
Esse é o sentido da lei, essa é a substância da proposta. Mas é proibido discuti-la. É obrigatório ater-se à escolha estereotipada entre “homofobia” e “anti-homofobia”. Homofobia, a rigor, é um sintoma psiquiátrico raríssimo. Quantas pessoas você conhece que têm horror aos homossexuais ao ponto de querer surrá-los ou matá-los pelo simples fato de serem homossexuais? Fazer da “homofobia” o centro do debate é obrigar todo mundo a chamar por esse nome pelo menos três coisas que não têm nada a ver com homofobia: a repulsa espontânea que a idéia de relações com pessoas do mesmo sexo inspira a muitos heterossexuais, repulsa que não implica nenhuma hostilidade ao homossexual enquanto pessoa e aliás é análoga à que tantos homossexuais têm pelo intercurso hetero, sem que ninguém os chame de “heterofóbicos” por isso; as objeções religiosas ao homossexualismo, que vêm junto com a proibição expressa de odiar os homossexuais; e a oposição política às ambições do grupo gay , tal como exemplificada neste mesmo artigo. Reunir tudo isso sob o nome de “homofobia” já é criminalizar a priori qualquer resistência ao desejo de poder da militância homossexualista, já é impor a lei antes de aprovada, manietando o debate por meio da intimidação e da chantagem. É embuste consciente e premeditado. A mídia nacional quase inteira é culpada disso.


Olavo de Carvalho
Jornal do Brasil, 29 de março de 2007


Texto extraído do site www.olavodecarvalho.org, com destaques feitos por mim.

SÉRIE: OLAVO DE CARVALHO - PORCARIA DE LEI


Para quem não conhece Olavo de Carvalho, ele é filósofo, um dos maiores pensadores brasileiros da atualidade. Nascido em Campinas/SP, também é jornalista e ensaísta, sendo um conservador de direita, um dos poucos em atividade no país.


Porcaria de lei

Ilustres senhores parlamentares: Vossas Excelências podem votar, se quiserem, essa porcaria de lei que proíbe criticar o homossexualismo. Podem votá-la até por unanimidade. Podem votá-la sob os aplausos da Presidência da República, da ONU, do Foro de São Paulo, de George Soros, das fundações internacionais bilionárias, do Jô Soares, do beautiful people inteiro.
Não vou cumpri-la.
Não vou cumpri-la nem hoje, nem amanhã, nem nunca.
Por princípio, não cumpro leis que me proíbam de criticar ou elogiar o que quer que seja. Nem as que me ordenem fazê-lo.
Não creio que haja, entre os céus e a terra, nada que mereça imunidade a priori contra a possibilidade de críticas. Nem reis, nem papas, nem santos, nem sábios, nem profetas reivindicaram jamais um privilégio tão alto. Nem os faraós, nem Júlio César, nem Átila, o huno, nem Gengis Khan ambicionaram tão excelsa prerrogativa. O próprio Deus, quando Jó lhe atirou as recriminações mais medonhas, não tapou a boca do profeta. Ouviu tudo pacientemente e depois respondeu. As únicas criaturas que tentaram vetar de antemão toda crítica possível foram Adolf Hitler, Josef Stálin, Mao-Tse-Tung e Pol-Pot. Só o que conseguiram com isso foi descer abaixo da animalidade, igualar-se a vampiros e demônios, tornar-se alvos da repulsa universal.
Nada é incriticável. Quanto mais o simples gostinho que algumas pessoas têm de fazer certas coisas na cama.
Nunca na minha vida parei para pensar se havia algo de errado no homossexualismo. Agora estou começando a desconfiar que há. Nenhuma coisa certa, nenhuma coisa boa, nenhuma coisa limpa necessita se esconder por trás de uma lei hedionda que criminaliza opiniões. Quem está de boa intenção recebe críticas sem medo, porque sabe que é capaz de respondê-las no campo da razão, talvez até de humilhar o adversário com a prova da sua ignorância e má-fé. Só quem sabe que está errado precisa se proteger dos críticos com uma armadura jurídica que aliás o desmascara mais do que nenhum deles jamais poderia fazê-lo. Só quem não tem o que responder pode pedir socorro ao aparato repressivo do Estado para fugir da discussão. E quanto mais se esconde, mais põe sua fraqueza à mostra.
Sim, senhores. Nunca, ao longo dos séculos, alguém rebaixou, humilhou, desmascarou e escarneceu da comunidade gay como Vossas Excelências estão em vias de fazer.
As pessoas podem ter acusado os homossexuais de fingidos, de ridículos, de tarados, de pecadores. Ninguém jamais os qualificou de tiranos, de nazistas, de inimigos da liberdade, de opressores da espécie humana. Vossas Excelências vão dar a eles, numa só canetada, todas essas lindas qualidades.
Depois não reclamem quando aqueles a quem essa lei estúpida jura proteger se tornarem objeto de temor e ódio gerais, como acontece a todos os que tomam de seus desafetos o direito à palavra.
Quem, aprovada a PLC 122/ 06, se sentirá à vontade para conversar com pessoas que podem mandá-lo para a cadeia à primeira palavrinha desagradável? Os homossexuais nunca foram discriminados como dizem que o são. Graças a Vossas Excelências, serão evitados como a peste. 


Olavo de Carvalho
Jornal do Brasil, 24 de maio de 2007



Texto na íntegra extraídos do site: www.olavodecarvalho.org, com destaques no texto feitos por mim.

FIQUE ALERTA: VEJA O QUE A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA LHE GARANTE


Após ver os vídeos do pastor Silas Malafaia, achei por bem publicar aqui no site parte de nossa constituição federal, mais precisamente o Art. 5º, que reza sobre os Direitos e Garantias Fundamentais. Isso é para mostrar aos cidadão brasileiros que por convicção de consciência, fé, entendimento filosófico ou político, que a PLC 122/2006 é insconstitucional, viola direitos civís, e agride um dos nossos direitos mais basicos de exercício da cidadania, o direto a crítica, livre expressão, e prática de fé. Não podemos e nem devemos aceitar tal projeto de lei, nem as ameaças por parte de grupos radicais gays que tentam nos fazer calar a todo custo.



TÍTULO II
Dos Direitos e Garantias Fundamentais
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

terça-feira, 9 de março de 2010

MORDAÇA GAY: UMA CRÍTICA DE SILAS MALAFAIA SOBRE A PLC 122/06











Todos os vídeos foram retirados do Youtube, publicados pelo usuário pastorgideao.

AUTORIDADE DOURADA E FASCISTA? E A POLÍTICA ANTI-HOMOFÓBICA TAMBÉM NÃO É?


Por Demetrius Farias
É impressionante como a mídia nos quer induzir a aceitar e engolir a tudo. Primeiro a Rede Globo de Televisão com aquela xaropada do Big Brother Brasil, na sua décima edição, onde a emissora tenta empurrar uma imagem positiva do participantes homossexuais. Só que o tiro saiu pela culatra. Foram convidados para participar uma lésbica (já eliminada por razões ligadas a suas atitudes naquele aquário), e mais dois gays, um maquiador extremista e um adolescente de comportamento caricato. O Resultado: Os três bateram de frente com um lutador que, não fez outra coisa, se não expressar sua opinião pessoal sobre o que pensa do comportamento homossexual. Agora imaginem só... No discurso para se livrar do paredão, o maquiador, em um de seus argumentos, diz que vai sempre falar o que pensa, e opinar sempre que achar que deve, mesmo que seja para taxar a outro de homofóbico. Aí eu me pergunto: Será que alguém na casa tem o direito de dizer que a esfacelada tríade alegre é heterofóbica em partes de seus discursos?

segunda-feira, 8 de março de 2010

ESSA SAIU NO FANTÁSTICO: ERRO DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA

Eu já houvi várias estórias e histórias sobre pregadores que cometeram erros teológicos grosseiros, por causa de má interpretação da Bíblia, ou por erros de leitura mesmo.
Tem aquele caso do pastor africano que pregava em sua igreja que o casal que não tivesse filhos iria para o inferno, especialmente as mulheres. Pois bem, após alguns curiosos perguntarem qual o motivo de tal condenação a famílias sem filhos, a resposta foi por demais cômica. Segundo o pastor, baseado em I Carta de João 5: 10, "quem tem um filho, tem a vida. Quem não tem um filho, não tem a vida. O texto original é: "Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida."
Tem aquelas piadas que parecem ter sua origem em fatos reais, como: "Jesus era contra o futebol, pois ele pregava por "Para Bolas" (parábolas) e ordenava que se retirasse a trave dos olhos (Mateus 7: 5). Também tem aquela que um certo pregador dizia que o Jazz era do diabo, pois o "mundo jazz (jaz) no Malígno", sendo que o texto original é: "Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno." (I Carta de João 5: 19).
Mas esta aqui, registrada em vídeo e que não pode piada, pois aconteceu verdadeiramente, é o cúmulo da Heresia. Isso é o que dá consagrar pastor a torto e a direito, é o resultado das centanas de rachas entre igrejas e novos "ministérios" que surgem em cada bairro e rua de nossas cidades. Vejam, e chorem (se não conseguirem rir, pois eu não consegui):


PARALELOS - PARTE VI: BATALHAS II


Por Darth Metrius


No último artigo, comentamos sobre as batalhas na galáxia de Star Wars e seus inúmeros paralelos no nosso querido planeta azul.
Abordamos as Batalhas de Naboo, Geonosis e Coruscant, e vimos os seus evento
s irmãos aqui na terra, que apesar do pequeno tamanho, parece ser muito agitado, tanto quanto a Galáxia Far Far Away. Como fiquei devendo falar das principais batalhas da Trilogia Clássica, e ainda acrescentar as Batalhas de Kashyyyk e Utapau do Episódio III, vamos começar a expor estes últimos, e depois abordaremos Yavin, Hoth e Endor, que apresentam surpreendentes semelhanças com eventos históricos presenciados pela humanidade, principalmente durante o século XX.

sexta-feira, 5 de março de 2010

HOMOFOBIA NUNCA! RADICALISMO GAY TAMBÉM NÃO!

Retirando algumas considerações pessoais do autor, das quais discordo, este texto foi um dos mais sensatos que já encontrei na internet abordando o tema homofobia e radicalismo gay, e escrito por alguém aparentemente neutro. Também sou contra a discriminação de homossexuais, que lhe impessam de trabalhar, ir e vir, se expressar e ter seus direitos civís garantidos em um estado democrático como o Brasil. Mas é intolerável a radicalização e deturpação do que se tem feito em nome dos movimentos GLBT e o mais que o valha. A PLC 122 e a Militância Gay tem tentado empurrar uma falácia da qual a sociedade brasileira não concorda, vide a pesquisa de opinião feita pelo Senado Federal e publicada em Novembro de 2009. Já estamos vivendo os últimos dias mesmo. Será que chegaremos ao ponto de sermos presos e condenados por professar a fé Cristã em sua íntegra, sem ter que apagar partes da Bíblia, pois os homossexuais brasileiros poderão se "ofender" e dizer que tudo é homofobia???

Segue o Texto:


GAYSTAPO QUER INTERVENÇÃO ESTATAL NO BBB DA TV GLOBO


 
Longe de defender a Rede Globo de Televisão e aquele programinha do BBB, que atualmente está na sua décima edição, não poderia deixar de me manifestar contra a atitude nazista de alguns movimentos GLBT do país. Então, como leitor do blog do Julio Severo, me sinto obrigado a fazer coro com ele e denunciar os abusos da militância gay no país.

Segue a matéria do blog do Julio, publicada neste 05 de março de 2010:


quinta-feira, 4 de março de 2010

12 RAZÕES PARA ESPERAR ATÉ O CASAMENTO

Para quem está habituado aos apelos sexistas do nosso tempo, é difícil compreender as razões porque esperamos pelo casamento. Não é algo que faça parte da realidade vivida pelos jovens de hoje. Quando falamos sobre esta decisão com nossos colegas de classe ou de trabalho, a reação é no mínimo de estranheza.
Porém entendo que esperar, além de ser um ato de obediência é também uma escolha. Aparentemente pode não parecer muito confortável, entretanto as conseqüências são eternas.
Pensando nisso, seguem 12 simples razões para o motivo de espera.

quarta-feira, 3 de março de 2010

CASAR


Casar é muito bom, você vai ver.
Não é um mar de rosas
Nem prisão.
Tem horas de paixão
Tem horas de sofrer.
Compensa, é bem melhor
Que a solidão.
Não tem que ser igual
Ao de seus pais.
Não tem que ser melhor
Que o de ninguém.
Só tem que ser vocÊs
Do jeito que Deus fez.
Cedendo um pouco aqui e ali.

Casar é muito bom, você vai ver.
Não é lua-de-fel, nem só xodó.
Tem horas de entender
Tem horas de prazer.
Contudo, é bem melhor
Que viver só.
Não tem que ser modelo
E perfeição.
Porém, dê todo amor
Que você tem.
Não deixe de dizer:
I love you, minha flor
Não deixe de zelar do seu amor.

Casar é muito bom, você vai ver
Quando se está disposto a crescer.
Tem hora de ouvir
Tem hora de falar.
Respeito e compreensão vão ajudar.
Casar é mais do que viver a dois.
Casar é aprender até morrer.
É ter um só Senhor
Viver prazer e dor.
Casar é investir no grande amor.

Casar. Casar é investir
No grande amor. (2x)
É, casar é investir
No grande amor.
Casar é muito bom
Quem vai querer? 
Atilano Muradas

terça-feira, 2 de março de 2010

O DIA DEPOIS DE AMANHÃ


Por Demetrius Farias
Após os terremotos do Haiti, do Chile e o super bloco de gelo, com a metade do Distrito Federal, que se desprendeu na Antártida, cada dia que passa fico mais convencido de que o mundo está mais próximo do fim. Não espero uma devastação surreal e sem propósito, como no filme 2012. Mas se vocês lembram daquele filme com Denis Quaid, O Dia depois de Amanhã, nele pode-se ter uma perspectiva mais real de uma tragédia global.

CHAMADA

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...