sexta-feira, 15 de junho de 2012

FALAR EM LÍNGUAS: NATUREZA E ATUALIDADE - PARTE 3

Por Clóvis Gonçalves

Nesta série de artigos, estamos estudando o dom de línguas, quanto aos aspectos da atualidade e natureza. No primeiro artigo da série, analisamos a alegação de que o dom de línguas não passa de algaravia, ou seja, um falar extático sem sentido, importado do paganismo. Em seguida, argumentamos em favor da atualidade do falar em outras línguas, a partir das palavras de Jesus registradas por Marcos (Mc 16:17). Em outro artigo, não desta série, discutimos a alegação de que o dom de línguas é a capacidade de falar idiomas humanos não aprendidos, também baseado no texto marcano. Uma leitura desses artigos permitirão ter uma visão geral de minha posição quanto ao falar em línguas. Podemos prosseguir a partir deste ponto.


Costuma-se afirmar que o dom de línguas é a capacidade de falar num idioma terreno não aprendido previamente. Discordamos dessa afirmação, e o fazemos a partir do que a Bíblia afirma nas diversas passagens que se referem a esse dom. Mas no presente artigo, vamos nos ater ao que Lucas relata em Atos 2. Em Atos temos o registro da descida do Espírito Santo sobre os discípulos reunidos no dia de Pentecostes, quando “todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem”(At 2:4). O que leva à conclusão de que línguas se referiam à idiomas humanos é que a multidão“estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua” (At 2:6), maravilhando-se e dizendo “como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?” (At 2:8). Sob essa perspectiva o dom de línguas teria a finalidade de possibilitar evangelizar estrangeiros, que de outro modo não poderiam ser alcançados com a comunicação do evangelho. Porém, a leitura do contexto mostra que Atos 2 não corrobora essa tese. 

Vejamos alguns argumentos.

1. Os discípulos começaram a falar em línguas entre si. O texto diz que “todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito os capacitava” (At 2:4). É importante notar que o evento começou num ambiente privado (“casa na qual estavam assentados”, At 2:2) e que só se torna público a partir do verso 6 (“ajuntou-se uma multidão”, At 2:6). O falar em línguas começou ainda na fase privada, onde estavam apenas galileus, e portanto o dom línguas para evangelização era desnecessário, haja vista serem todos crentes.

2. Os ouvintes eram judeus da Diáspora. Muito afirmam que os “judeus, tementes a Deus, vindos de todas as nações do mundo” (At 2:5) eram peregrinos vindos para a festa de Pentecostes. Porém, é uma suposição baseada no costume dos judeus irem a Jerusalém para as festas. Mas Lucas afirma que esses homens “estavam habitando em Jerusalém” (At 2:5). O termo κατοικουντες ocorre 43 vezes no Novo Testamento, 21 delas nos escritos de Lucas, onde sempre tem o significado de residentes de um determinado local (ex.: Lc 13:14; At 1:19; 2:14; 4:16; 7:2,4; 9:22,32; 17:26; 19:17). Assim, é mais provável que se tratava de judeus da Diáspora que haviam voltado para Jerusalém. Na expressão “visitantes vindos de Roma” (At 2:10 NVI), o termo traduzido como visitantes é επιδημουντες que segundo Strong pode significar “residente estrangeiro, vivendo com outro povo, em qualquer país”. Na única outra vez que o termo ocorre é traduzido como “estrangeiros que ali viviam” (At 17:21). Portanto, eram romanos que residiam em Jerusalém “tanto judeus como convertidos ao judaísmo” (At 2:11).

Considere também que Lucas diz que os moradores de Jerusalém eram “judeus, tementes a Deus” (At 2:5). A expressão “tementes a Deus” é exclusivamente lucana e usada somente em referência a judeus (Lc 2:25; At 8:2). E mesmo que tivessem nascido em outras terras, foram ensinados por seus pais na língua pátria. Em seu discurso Pedro se dirige aos “homens da Judeia e todos os que vivem em Jerusalém” (At 2:14), chama-os de “israelitas” (At 2:22) e de“Israel” (At 2:36). Sendo, pois, os ouvintes judeus e convertidos ao judaísmo residentes em Jerusalém, não havia necessidade do dom de línguas para evangelizá-los, logo, cai a justificativa para o dom de línguas como idioma terreno. 

3. Pedro não evangelizou em línguas. Muitos não percebem as mudanças no relato de Lucas. Num primeiro momento, os discípulos são batizados com o Espírito Santo e passam a falar em línguas, no interior de uma casa, provavelmente no segundo andar (At 2:1-4). Atraído pelo som sobre a casa, uma multidão se reúne e fica perplexa ao ouvir os discípulos falarem no idioma de suas terras maternas (At 2:5-13). Então Pedro se coloca em pé e explica o que está acontecendo (At 2:14-40). Nada no texto indica que Pedro estivesse pregando em outras línguas, pelo contrário, essa hipótese carrega uma dificuldade: se Pedro estivesse falando em línguas, e como só ele falou, ou ele falou simultaneamente em cada uma das línguas referidas ou falou apenas numa delas e cada um dos ouvintes entendeu na sua própria língua.

Mas como já vimos, a audiência era composta de judeus e de alguns prosélitos que moravam em Jerusalém. E mesmo que se tratasse de peregrinos, não havia necessidade do dom de línguas para evangelizá-los. É que na Palestina dos dias de Jesus falava-se aramaico, grego e latim. Nas regiões citadas falava-se o grego, exceto em algumas delas, que falavam aramaico. Logo, o dom de línguas era desnecessário para que eles entendessem a pregação de Pedro e não faz sentido que Pedro pregasse em língua para uma audiência que entenderia se ele falasse o vernáculo.

É preciso dizer, contudo, que os presentes ouviram os discípulos falarem em seus próprios idiomas. Minha explicação é que isso se deu como sinal, que os levaria a ouvir a pregação de Pedro. O milagre de ver galileus exaltarem a Deus nas línguas faladas nas terras em que nasceram causou a perplexidade que os levou se interessar pela explicação e a pregação de Pedro, o que finalmente os compungiu a crer no evangelho.

Concluindo, é certo que os galileus falaram em línguas que não haviam aprendido e que os judeus as entenderam em sua língua materna. Porém, o texto não diz que os discípulos se dirigiram aos presentes, evangelizando-os em seus idiomas maternos, mesmo porque isso seria totalmente desnecessário. Tanto é que Pedro lhes dirigiu a palavra sem ser em outras línguas, muito provavelmente usou o grego, que todos os presentes conheciam. Assim, crer que em Atos 2 houve a evangelização em outras línguas é resultado de uma leitura desatenta e controlada por pressupostos extra-bíblicos.

Soli Deo Gloria


Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO!

CHAMADA

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...