sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

JULIO SEVERO E OS CALVINISTAS PROGRESSISTAS



Por Wanderley Dantas
Título Original: Julio Severo ou Fábio Ribas – uma resposta (artigo em versão ARA)


Há certo tempo, deparei-me com mais um texto polêmico do apologeta Julio Severo, intitulado “Renato Russo ou Ana Paula Valadão?” Um texto que precisa ser avaliado, principalmente porque, mais uma vez, o autor acerta o alvo e expõe as mazelas e idiossincrasias do ainda muitíssimo imaturo e circunscrito movimento calvinista no Brasil.

Talvez, antes de continuar este artigo, eu deva apresentar abertamente o que penso de Julio Severo. Então, eu devo dizer que cobeligero ao lado dele no apoio a Israel, mas não pelos mesmos motivos de Julio e isso se explica porque temos teologias diferentes.
Também discordo compreensivelmente de seu pentecostalismo, de suas “visões”, “revelações” e outras questões defendidas por ele. Digo “compreensivelmente”, porque entendo que Julio está sendo coerente com suas premissas. E creio que esse é o ponto que me leva a escrever este texto: entre outras questões de seu artigo que posso considerar secundárias, o cerne da denúncia que o Julio faz é que os calvinistas citados por ele (além de tantos outros Brasil afora) simplesmente são incoerentes com a sua própria teologia.

Mas em qual ponto somos incoerentes? Será na música que ouvimos? Será na música que não ouvimos? Será nas novas “revelações” que não cremos? Será nos “sonhos e visões” dos quais nos acautelamos? É preciso discernir especificadamente qual o ponto nevrálgico do texto de Julio, caso queiramos um calvinismo no Brasil que traduza o melhor que esta tradição tem a oferecer à Igreja Evangélica em nosso país. Portanto, eu creio que certos calvinistas brasileiros precisam sair de suas torres de marfim e ouvir com atenção o que o Julio está falando sobre nós. Sigamos portanto.

Como já disse, Julio Severo é um homem coerente com seus valores e com os pressupostos que dão origem tanto a esses valores como aos seus textos publicados na internet. E esta coerência do Julio o leva a perceber a incoerência dos que se dizem cristãos, mas vivem em evidente prática de vida contrária aos valores mais caros do Evangelho, por isso indaga-se Julio: como pode um ministro da Palavra de Deus, um líder que tem sobre seus ombros a responsabilidade de orientar espiritualmente suas ovelhas, recomendar a estas que escutem um declarado defensor da causa gayzista?

Ora, sejamos honestos e nos vejamos com os olhos do Julio, que, na verdade, expressa a opinião de milhares de outros cristãos brasileiros sobre o que seriam tais calvinistas. Julio também traz o fato que esse mesmo ministro da Palavra de Deus execrou uma conhecida cantora gospel por suas músicas pentecostais (e eu mesmo não vou esquecer das estranhas posturas da tal cantora como engatinhar como leão, ter sonhos com botinhas de pitom, etc), mas, evidentemente, nada disso é o ponto profundo no qual Julio quer, de fato, tratar. Estas questões foram apenas a “captação” que nos chamaria a atenção à real tese de Julio contra aquele grupo de calvinistas que ele denunciou em seu texto.

A denúncia de Julio é outra, portanto. Ela se revela quando ele mostra que o problema com calvinistas como Fábio Ribas e tutti quanti não é apenas uma questão de abordagens teológicas diferentes e de pressupostos e hermenêuticas divergentes, mas, direi mais uma vez, o problema é que aquela turma calvinista não é coerente com a própria teologia que afirmam seguir!

Em outras palavras, concordemos ou não com a teologia do Julio e da Ana Paula Valadão, estes ao menos estão sendo coerentes com aquilo que pregam. E creio que é aqui a ferida exposta pelo Julio e que certos calvinistas brasileiros que têm se destacado na blogosfera fariam muito bem se conseguissem se despir de seu corporativismo, de suas agressões verbais e de sua altivez intelectual e percebessem os argumentos apresentados por Julio. Ele não é o único que pensa isso sobre aquele grupo de calvinistas e, se queremos realmente nos comunicar com nossa cultura brasileira, precisamos, então, aprender a nos olhar com os olhos dos outros e ver o que temos feito de errado em nossa comunicação do Evangelho. Olhemo-nos, portanto.

O que é o calvinismo brasileiro? Ora, o que o Julio apresenta ao seu leitor como calvinismo é o que este movimento mostrou como frutos tanto na Europa como nos EUA e, agora, na chamada “América Latina” e, especialmente, no Brasil. Os países da Europa que outrora foram calvinistas hoje são pós-cristãos. Alguém aqui poderia argumentar que a culpa disso não é do calvinismo, mas da teologia liberal.

Contudo, foi em ambiente calvinista que nasceu a teologia liberal e suas sandices. Ao menos, caberia ao calvinismo uma resposta à altura às heresias modernas tanto do liberalismo teológico como do marxismo. Todavia, o calvinismo não foi apenas ineficaz em ensinar e influenciar aquela cultura, como, também, viu muitos dos seus próprios teólogos sucumbirem diante desses inimigos.

Assim como ocorreu entre os calvinistas europeus e americanos, a teologia liberal também seguiu fazendo festa e estrago no hemisfério sul. O que Julio vê nos Estados Unidos é a liberalíssima denominação presbiteriana que começou ordenando mulheres e, agora, gays também! E, sinceramente, aos que olham de fora, pouco importam as diferenças entre as denominações presbiterianas lá de fora e as diversas e independentes denominações existentes no Brasil (IPB, IPC, IPU, etc). O fato é que, um dia, o nascedouro de todas elas foi o mesmo: o calvinismo que abraçamos como sendo a melhor interpretação das Sagradas Escrituras.

O que Julio indaga com sinceridade é como que uma teologia de gigantes como João Calvino, John Knox, Jonathas Edwards, os Puritanos, Spurgeon, Francis Schaeffer entre tantos outros, agora, resume-se miseravelmente a ridicularizar o pentecostalismo, que, gostemos ou não, é um viés interpretativo de irmãos em Cristo que são usados para pregar o Evangelho (eu mesmo e minha esposa viemos de Igrejas Pentecostais).

Mas, ainda assim, não é este o ponto central do artigo do Julio. O que o surpreende não é tão somente a oposição de certos calvinistas ao pentecostalismo no Brasil (até porque há calvinistas não-cessacionistas e há os neo-calvinistas também, grupos de calvinistas que têm sido criticados em sua própria casa por possuírem certas características pentecostais), então, o que Julio Severo realmente quer discutir em seu artigo é acertadamente o casamento histórico de um certo calvinismo com o esquerdismo em suas mais diversas vertentes anti-cristãs, antropocêntricas e humanistas!

O que Julio vê é que a chamada “América Latina” abraçou a teologia liberal, pagã e pós-cristã por meio de líderes cultuados como o católico Leonardo Boff e os ex-ministros presbiterianos calvinistas Rubem Alves e Caio Fábio. Forjaram-se aqui no Brasil a partir destes líderes toda a turma do “Evangelho Integral”, Missão Holística” ou qualquer outro nome que você queira dar a essa coisa que apenas valorizou o que não era cristão e promoveu a absorção dos liberalismos teológico e moral nos quais, agora, nossa geração está atolada.

Embora eu saiba que há uma multidão de ingênuos bem intencionados nesta pregação do Evangelho Integral, devo dizer que seus líderes e mentores de ontem sabiam muito bem o que estavam fazendo e onde queriam chegar. E chegaram! Prova disto é a revolução cultural da esquerda na América do Sul e no Brasil implantando sua ideologia abortista, gayzista, imoral e perversa em seus planos de descristianização da nossa cultura à semelhança do que ocorreu na Europa e ocorre hoje nos Estados Unidos.

Enfim, estes são os frutos que o Julio Severo vê da árvore calvinista. Estaria ele errado? Talvez estivesse errado se ele apresentasse suas acusações de maneira generalizada, mas, pelo contrário, ele chama seus denunciados pelo nome exatamente porque ele sabe que há exceções no calvinismo. Em outras palavras, o calvinismo não é isso que alguns calvinistas midiáticos (e casados com o liberalismo e o esquerdismo) tem apresentado à população brasileira. O problema é que esses que foram citados no artigo de Julio têm um poder enorme para moldar as mentes de tantos desavisados, pensa Julio.

Será que nós calvinistas não vamos parar de olhar para o nosso próprio umbigo e, pelo bem do Evangelho, nos perguntarmos por que pessoas como o Julio nos veem assim? Continuaremos fechados em nossos círculos de amigos no facebook, ou em nossas sociedades na blogosfera, sem nos esforçarmos em ensinar fora do nosso arraial? É esta a imagem que queremos fixar na mentalidade de nossa cultura: teólogos discutindo uns com os outros acerca dos temas eternos, protegidos de dentro de nossas torres de marfim, como senhoras degustando seu chá das cinco, enquanto, na verdade, aparentam aos outros apenas que fofocam frivolidades?

O calvinismo que muitos midiáticos têm apresentado ao Julio e a tantos outros é um calvinismo debochado, irônico, seco, desamoroso e, por muitas vezes, vaidoso demais com os que não participam de nossa panelinha intelectual.

Transformamos os outros em uma caricatura e os ridicularizamos e nem percebemos que, mais uma vez, estamos perdendo a chance de ensinar à cultura que nos cerca a razão de nossa fé. Mas, infelizmente, falta-nos o profundo desejo em ensinar, discutir, apresentar argumentos e se auto-criticar diante de irmãos que pensam diferentemente de nós e isso é um mal desse calvinismo que muitos têm apresentado na blogosfera (e fora dela também).

Ou será que o máximo que o calvinismo consegue produzir é a liberdade para escutarmos Renato Russo, Bob Marley e Iron Maiden? É isto o calvinismo? Seria isso o calvinismo de Abraham Kuyper? É esta a proposta da Reforma Calvinista? É isto que temos ouvido de Nancy Pearcey e tantas outras vozes que tem se esforçado em colocar o calvinismo para dialogar criticamente com a cultura na qual ele está inserido? Seria esse o Evangelho de Jesus Cristo? Precisamos ter a humildade de aproveitarmos a denúncia de Julio e nos olharmos neste espelho severo antes que seja tarde demais, porque os outros já estão ficando demasiadamente cansados de olharem para nós e ver as flagrantes contradições que temos com a teologia que nós mesmos pregamos.

Julio Severo ou Fábio Ribas? Não me identifico nem com o pentecostalismo de um e nem com aquele calvinismo do outro, mas acredito que devemos abrir diálogo para a construção de uma Igreja mais madura em terra brasileira. Deus tenha misericórdia de todos nós! 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO!

CHAMADA

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...