sexta-feira, 21 de agosto de 2009

PARALELOS - PARTE I: A REPÚBLICA


Por Darth Metrius


A minha ultima adição à Coluna do Darth Metrius me motivou a iniciar uma série de artigos, dos quais começo por este que lhes escrevo, falando sobre vários personagens, povos, nações e eventos de nossa história mundial que encontram suas reproduções quase que fiéis no universo criado por George Lucas. A idéia me ocorreu, quando pesquisava sobre a Alemanha das décadas de 30 a 40 e o Império Romano. Ao produzir “O Palpatine Necessário”, me ocorreu, ao ler sobre os fatos históricos envolvendo estes estados, que em Star Wars há muito mais do que apenas inspiração na obra de Joseph Campbell, autor de O Herói das Mil Faces (1949) e O Poder do Mito (1988).
Nesta primeira parte, quero dedicar minha atenção sobre a República Galáctica, ou também conhecida como Velha República, e iniciar as comparações mostrando o quanto de nossa história existe em Star Wars.

Um Breve Histórico e Descrição da República Galáctica:
Conhecida durante o período imperial como Velha República, a República Galáctica foi fundada em 25.000 BBY pela assinatura da Constituição Galáctica, após o fim das Guerras de Unificação, com Coruscant como sua capital. Sua expansão, inicialmente, foi lenta, mas muitos planetas logo mostraram interesse em se unir a República, uma forma de se protegerem contra o Império Hutt. Em 5.000 BBY a República se envolve em seu primeiro grande conflito galáctico, contra o Império Sith, que rivalizava como estado dominante. Graças a Ordem Jedi, a República consegue repelir os invasores. Entre 4.000 e 3.681 BBY, a República teve que enfrentar sucessivas guerras contra os sith e os mandalorianos, terminando por sofrer sua primeira grande derrota e tendo que ver muitos mundos abandonarem o senado. Mas apesar disto, a República se reergueu novamente e conseguiu voltar a sua expansão pacífica. Em 2.000 BBY, nova guerra contra os Sith, que termina em 1.000 BBY, todavia com uma vitória que garantiria a supremacia final da República e a extinção do Império Sith. Após as Novas Guerras Sith, como ficaram conhecidas, a República e a Ordem Jedi passaram por reformas político-religiosas que a levaram ao que conhecemos durante o seu período final. Tais reformas ficaram conhecidas como Reforma de Ruusan. O seu apogeu se deu durante os últimos cem anos, mas também marcou o seu declínio já que o senado galáctico se mostrou moralmente corrupto e burocrático. Já em 24 BBY, o senado se vê ameaçado pela maior crise separatista até então, que culmina nas inevitáveis Guerras Clônicas e o estabelecimento do Império Galáctico em 19 BBY.
No seu início, a República se organizou para fins apenas comerciais e de defesa mútua, mas com o passar dos séculos, tomou uma organização política mais sólida e organizada. Todos os sistemas membros elegiam os seus senadores, representantes dentro do Senado Galáctico que era o braço legislativo e executivo da República. Apesar de haver uma constituição e governo, cada sistema membro mantinha sua independência interna, podendo inclusive se defender com meios próprios, mas possuía a sua disposição as forças armadas da República, e mesmo com relativa autonomia, cada estado membro devia obedecer à constituição e as leis da República, no que tange as relações exteriores. O seu maior mandatário era o Supremo Chanceler, que presidia o senado e a República, mas com poderes limitados pela constituição, dividindo seu poder com o senado. O braço judiciário era representado pela Suprema Corte, auxiliada pelas Cortes Regionais. Todos os sistemas possuem uma moeda comum, o Datário da República, também conhecido como Crédito da República. A comunicação verbal era realizada também por um idioma comum, o Básico Galáctico Padrão, que é conhecido pela maioria dos povos e também falado, exceto por aqueles que fisiologicamente não podem articular o idioma.
Paralelos:
A República Galáctica possui seus paralelos na nossa história universal. Vamos apontar alguns deles, que a meu ver, são os principais e mais relevantes.
Império Romano: O processo histórico de Roma, em parte, se assemelha muito com o da República Galáctica. Apesar de a expansão romana ter sido um resultado da ação militar e uma política de conquista, em termos institucionais, após o estabelecimento da República, Roma segue uma trajetória que é nitidamente copiada em Star Wars. Após o fim da monarquia, Roma adota como forma de governo a República, a primeira que se tem notícia. De uma simples cidade-estado, passa para a conquista da Itália, formando um país de amplas fronteiras. No início, ainda no período monárquico, Roma detém o controle sobre a região do Lácio, conquistando Alba Longa (comparo a Coruscant estendendo sua hegemonia a Duro, como capital da nascente república), mas sua principal semelhança se dá já na faze republicana, quando Roma inicia a conquista de toda a península. É fato que, Roma impõe derrotas militares a Liga Latina (composta de cidades inimigas de Roma), e aos samnitas rebelados, mas assim como em Star Wars, a expansão muito se deu por incorporação de cidades que passaram a ser aliadas de Roma. Na época se justificava, já que proteger-se contra os etruscos e os gauleses era vital, assim como muitos sistemas da galáxia necessitavam de apoio de Coruscant e aliados contra os Hutts e os Xim. Após a derrota das cidades da Magna Grécia, a conquista da península estava concluída e a Unificação da Itália terminada. Em termos de governo, Roma se assemelha apenas quanto ao senado, como câmara governadora e legisladora. Se Roma necessitasse de um representante como Chefe de Estado, possuía a figura do Cônsul, que detinha autoridade limitada, pelo período de doze meses, eleito pelo senado, na figura do Comitê de Centuriões. Em Star Wars a votação do Supremo Chanceler é da mesma forma, ficando a escolha deste como papel dos senadores, tendo aquele limitados poderes e por um tempo de mandato determinado.
Ainda neste paralelo histórico, vemos que na questão da expansão territorial, a República Galáctica imita a Roma no que tange aos resultados de sua política externa. Com as guerras contra os Sith, em três ao todo, com um período de instabilidade conhecida como Guerra Fria Galáctica, a República finalmente se estabelece como Senhora da Galáxia, assim como Roma o fez ao tomar a hegemonia do Mediterrâneo das mãos dos Cartagineses. Esta parte da história romana, mal-comparando, se assemelha as Guerras Púnicas, que também foram três, com um intervalo de instabilidade entre Roma e Cartago após a Segunda Guerra Púnica. Roma venceu as três guerras, a República também (apesar de sofrer uma revanche que a deixa vulnerável, e nisto não há paralelo).
Já no seu final, a República Galáctica apresenta uma notável decadência moral e institucional, a semelhança de Roma que, por volta do final de 100 BBY contava com a quase totalidade da galáxia sobre seu controle, tornando o senado uma instituição repleta de representantes de milhares de sistemas. Roma, a aproximadamente 30 a. C., contava com um território tão vasto, que o Senado de Roma não podia administrar sozinho todas as províncias, tendo que dividir o poder com os governadores locais e generais. A situação se tornou de tal forma incontrolável que as Guerras Civis foram um fato inevitável. Roma teve que se ver envolta entre disputas pelo poder e controle sobre o senado por parte de generais e comandantes das várias legiões romanas, ganhando apoio ou não de senadores corruptos e magistrados interesseiros. É neste contexto que as Guerras Clônicas se assemelham as Guerras Civis de Roma. Um período de instabilidade, divisão política e de levante de uma figura notável, César Augusto, o primeiro Imperador de Roma, que chegou ao poder por meio de manobras políticas e apoio dos senadores contra os generais que ameaçavam Roma. Sobre ele já falamos anteriormente. Em 27 a. C., a República Romana é reorganizada no Império Romano, que atinge sua maior glória durante este período. Palpatine é a cópia perfeita de Augusto, na medida em que usa o senado e a instituição da Chancelaria para atingir mais poder até ter controle total sobre o governo da galáxia. Notadamente também, é no período Imperial, que a Galáxia Star Wars vive sua maior expansão, absorvendo muitos sistemas que antes não pertenciam à República. O processo de expansão de Roma não parou com a Guerra Civil, mas foram as disputas que propiciaram a aquisição de novas terras. Em Star Wars não foi diferente. A República também se expandiu durante as guerras clônicas, ocupando sistemas antes pertencentes à Confederação e que não eram membros da República antes da guerra.
Suíça: Sobre a instituição da Suprema Chancelaria bem como do Senado Galáctico, como já descrevi anteriormente, são inspirados em alguns estados reais. No caso fictício, a República Galáctica é Constitucional, ou seja, é regida por uma constituição que a define e limita os seus poderes. O Senado exerce o Poder Legislativo da República, desde sua fundação. O Poder Executivo também é exercido pelo senado, mas a execução de suas deliberações é prerrogativa são do Supremo Chanceler (Presidente do Senado, de 25.000 BBY a 15.000 BBY), na instituição de seu gabinete, e na presidência do Conselho Senatorial. A Chefia do Estado é exercida pelo Supremo Chanceler, bem como a Chefia de Governo, também exercida pela pessoa do Vice-Presidente (ou Vice Chanceler da República), igualmente conhecido como “A Voz do Senado” (lembram do Mas Amedda, aquele chifrudo azul que ficava do lado de Palpatine e Finis Valorum). Mas apesar de todas as prerrogativas e cadeiras, além de acumular a chefia de estado e de governo, o Supremo Chanceler não tem autoridade presidencial para governar sem a autoridade do senado. No entanto, ele não é o menor no Senado. Como eleito dentre os outros senadores, o Supremo Chanceler é Primus Inter Pares (O Primeiro entre Iguais). Inicialmente, nos primeiros anos da República, a figura do Supremo Chanceler tinha pouco poder, sendo um representante a semelhança das monarquias britânica, canadense e japonesa. Ao longo dos milênios, a figura do Chanceler foi ganhando maior poder político-administrativo, até chegar ao Chefe de Estado Forte. Todavia a República Galáctica se assemelha muito mais a Confederação Suíça. A Suíça é uma República Federal, democrática na forma de Confederação (ou seja, cada membro da Federação é independente e soberano em seus próprios territórios, legislando e gerindo todos os assuntos, exceto aqueles que competem a Confederação). Na República Galáctica o sistema é o mesmo. Cada setor ou sistema planetário é independente, autônomo, e soberano, mas no que compete aos assuntos atribuídos na esfera da República, não podem se manifestar se não dentro da instituição do Senado ou por outras vias legais para a República. Na Suíça, do mesmo modo, garante a independência de seus cantões, e o povo tem sua democracia exercida de forma indireta e direta. Bastam 100.000 assinaturas, para que o povo modifique ou mesmo se oponha a uma lei (todavia neste aspecto, a República difere da Suíça).
No aspecto do exercício do poder, o executivo é dividido entre o Conselho Federal (Conselho Senatorial), e a Assembléia Federal (Senado Galáctico). O Presidente do Conselho Federal (Supremo Chanceler) assume a representação nacional e diplomática, bem como tem poder de decidir assuntos aonde a Assembléia não chegou a uma maioria de votos (empate). Ele é escolhido dentre os membros do Conselho Federal para o mandato de um ano. Tem pouco poder, mas sua autoridade é maior quando membro do Conselho Federal.
ONU, OTAN e E.U.: Por fim, a República se assemelha também com alguns órgãos internacionais, e muito mais do que qualquer estado, sua inspiração maior vem das Nações Unidas, da OTAN e da União Européia. É claro que não haverá cem por cento de semelhança, mas estes tais órgãos teriam uma identificação muito maior. A Assembléia Geral da ONU, bem como o Parlamento Europeu são referências exatas do Senado Galáctico, quem como a figura do Secretário-Geral como Supremo Chanceler. Mesmo com limitados poderes e sem poder de decisão sobre a soberania das nações membros da ONU, o Secretário-Geral, dentro da esfera da instituição tem ampla autoridade, respondendo apenas a ela, assim como o Supremo Chanceler da República. O mais interessante, a ONU é um dos únicos órgãos internacionais com Forças Armadas própria, comissionada a partir das forças armadas dos países membros. São os conhecidos como “Boinas Azuis”, ou “Capacetes Azuis”, que servem como Força de Paz, mas podem ser atuantes em conflito armado, como na Guerra da Coréia (1950 – 1953).
A República Galáctica, em seus momentos finais, tem seus paralelos, novamente com Roma e com a República de Weimar, mas estas já foram expostas em artigo anterior. Basta citar, quanto a Weimar, que o processo de ascensão dos nazistas ao poder em 1933, se deu pelo desejo popular de voltar a ver uma Alemanha forte e gloriosa, como nos tempos do kaiser. Visto que o sistema republicano e a contínua luta partidária, sobretudo com os comunistas, provocou um sentimento de repulsa na população com o modo de como o país estava sendo conduzido em tempos de crise. Foi através de eleições democráticas que os nazistas assumiram o poder, e foi por sucessivas mudanças constitucionais que o chanceler alemão, então Adolf Hitler, acumulou poder ainda maior, chegando a ocupar a presidência do país após a morte de Paul von Hindenburg, o último presidente de Weimar.

Fascina-nos muito ver estes paralelos com nossa história real, pois ela possui a mesma função que a própria história, ou seja,para cada vez que assistimos os filmes, vemos quão similar a República Galáctica e o Império contam sobre a nossa história universal, nos dando exemplos e subsídios para analises e correções futuras daquilo que o homem deve ou não fazer. Mais muito mais, uma diversão ainda maior é o simples fato de poder acompanhar cada evento acontecido na nossa querida realidade alternativa e depois poder constatar que tais fatos já aconteceram na vida real anos atrás.

Artigo publicado originalmente no site Jedimaster.com.br, no dia 19 de agosto de 2009.

2 comentários:

  1. mestre......

    estou muito grata pelos seus esclarecimentos sobre a velha república.... realmente existem muitas particularidades e singularidads entre a história deste mundinho triste em que vivemos e a república galcática.....
    obrigada por mais esta enxurada de informações aqueles que estão sedentos pela verdade da força!!!!!!!!!!

    PS: seu padwan em está ansioso pelo começo de seu treinamento.....
    que a força esteja com o senhor....

    Lady Menhan

    ResponderExcluir
  2. Hahaha...
    Um Darth não tem um Padawan, e sim um aprendiz!
    Prepare-se para a Ordem 77.
    Obrigado!

    ResponderExcluir

OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO!

CHAMADA

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...